Sinusite: tipos, sintomas e cuidados

21 jul, 2021

|

por: Família Respira

Quando falamos de “doenças respiratórias”, a sinusite é, sem dúvidas, uma das principais doenças. As dores de cabeça são um dos principais sintomas dessa da sinusite que, apesar de comum, causa diversos prejuízos a nossa qualidade de vida. No artigo de hoje, vamos falar sobre a sinusite: você vai conhecer os tipos, sintomas, cuidados e outras informações dessa doença.

O que é sinusite? O que causa a sinusite?

A sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, aquela região do nosso crânio formada por cavidades ao redor dos olhos, nariz e maçãs do rosto.

A sinusite é causada por qualquer fator que atrapalhe a drenagem adequada da secreção dos seios da face, seja por causa de infecções, quadro alérgico ou até mesmo má formação óssea. Várias coisas podem desencadear crises de sinusite, como:

• Fungos

• Vírus

• Bactérias

• Poeira

• Desvio de septo nasal

Rinite e sinusite estão relacionadas? Quais são os tipos de sinusite?

A sinusite de forma isolada é rara. Geralmente, a sinusite acontece por consequência da rinite, surgindo a rinossinusite – quando há inflamação nos seios da face.

A sinusite pode ser unilateral, quando atinge apenas os seios nasais de um lado do rosto, ou bilateral, quando os dois lados são atingidos. Quando o assunto é tipos de sinusite, podemos definir em três tipos:

• Sinusite aguda: geralmente é provocada por vírus e tem duração de no máximo 4 semanas;

• Sinusite subaguda: duração maior que 4 e menor que 12 semanas;

• Sinusite crônica: De praxe, é a sinusite causada por distúrbios no sistema imunológico, e as crises têm duração superior a 12 semanas.

Ela também pode ser classificada como aguda recorrente, quando acontecem 4 ou mais episódios em um ano.

Sintomas da sinusite

Os sintomas de sinusite podem ser diferentes em crises de sinusite aguda e crônica. Os sintomas da sinusite aguda são semelhantes aos de um resfriado, sendo os mais comuns: obstrução nasal e secreção nasal, dor ou pressão facial, hiposmia ou anosmia e outros, como: tosse, irritação faríngea, plenitude auricular.

Já nos quadros de sinusite crônica, os sintomas podem ser os mesmos que os da sinusite aguda, mas com duração superior, sendo os mais comuns:

• Obstrução nasal e secreção nasal

• Pressão ou dor facial

• Redução ou perda de olfato, conhecida como anosmia

• Dor de ouvido

• Dores no maxilar superior e dentes

• Tosse, que pode ser pior durante a noite

Diagnóstico e o tratamento

O diagnóstico da sinusite é feito pelo médico otorrinolaringologista, que pode chegar à essa conclusão com um exame físico simples para avaliar se existe sensibilidade nos seios da face. O médico também pode solicitar outros exames, como, por exemplo:

• Endoscopia nasal

• Tomografia computadorizada

• Teste de alergia – utilizado para o diagnóstico de um tipo muito específico de sinusite crônica.

O tratamento da sinusite pode ser feito com medicamentos receitados pelo médico, mas pequenos hábitos podem fazer grande diferença em nossa vida, como a lavagem nasal diária: O hábito da limpeza nasal diária pode reduzir em até 40% a incidência de gripes, resfriados e sinusites. A irrigação da mucosa nasal com solução salina isotônica (0,9%) é uma medida clássica e segura, bastante útil na mobilização das secreções e hidratação da mucosa, como tratamento coadjuvante e preventivo das doenças inflamatórias e infecciosas nasossinusais.

Acompanhe mais conteúdos sobre saúde respiratória no Instagram da Família Respira

Fontes Consultadas:

1 – Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF). Sinusite [internet]. São Paulo; 2016 [acesso em 20 jul 2021]. Disponível em: http://www.aborlccf.org.br/secao_detalhes.asp?s=198&id=4244

2 – Diretrizes Brasileira de Rinossinusites. Rev Bras Otorrinolarigol. 2008;74(2 Suppl):6-59.

3 – Consenso – Rinossinusites: evidências e experiências. Braz J Otorhinolaryngol. 2015;81(1 Supl 1):S41-49.

4 – Slapak I, Skoupá J, Strnad P, Horník P. Efficacy of isotonic nasal wash (seawater) in the treatment and prevention of rhinitis in children. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2008;134(1):67–74.